segunda-feira, outubro 10, 2005

Oceania, Parte Final

Preparando-se para descer em seu destino, Marcos esforçou-se para conter seu entusiasmo e passou pela imigração com um largo sorriso. Sem muitas perguntas prosseguiu pelo hall principal e encontrou-se com seu mais novo protetor, Alfar, na saída do aeroporto, onde este o esperava perto de uma luxuosa limusine prata. De um só pulo entrou dentro do carro, e como caipira na cidade grande, ficou estupefato com tudo que via, só não se sabia mais se era com a limusine em si ou com a cidade que se abria diante de seus olhos como um botão de rosas em plena primavera. “Já tomou Cristal, filho?”, perguntou Alfar, “O que é isso, senhor?”, espantou-se Marcos que achava tratar-se de uma jóia, e jóia não se toma, se usa. “É uma bebida muito gostosa, pode experimentar!”, respondeu Alfar e assim Marcos experimentou a bebida mais cara de sua vida, só não imaginava o preço que pagaria por ela.

Horas depois, Marcos acorda com uma fina dor de cabeça, está escuro e a última lembrança que vem à sua mente é a do seu mais novo amigo, protetor e empregador na limusine sorrindo para ele. Olha ao seu redor e a claustrofobia de repente o toma pela mão e quase o leva ao desespero, está preso em algum lugar, algum tipo de caverna, não sabe ao certo. Tenta reconhecer o lugar e sente um forte cheiro que jamais sentiu antes, ele anda um pouco, acostumando-se com a o escuro completo e percebe que existem mais pessoas com ele, todos desnutridos, sujos e com olhares vazios. Ele tenta em vão falar com eles e não obtém resposta alguma, corre para a porte e bate desesperadamente à espera de algum sinal que só viria na manhã seguinte quando este é despertado a pontapés e “convidado” a ir trabalhar nas minas de pedras preciosas em algum ponto do deserto australiano onde a fuga torna-se impossível e, assim, o trabalho escravo extremamente viável.

Marcos voltou a trabalhar como escravo, e sonha, sonha em voltar no tempo, em nunca ter saído de seu país não ter dado ouvidos ao seu falso protetor, a nunca ter tomado o mesmo vôo que este sociopata, mais ainda, talvez ter dado ouvidos ao povo ignorante e limitado de sua cidade, ou quem sabe nunca ter nascido, é o que deseja todos os dias, nunca ter nascido, jamais ter sonhado tão alto, jamais ter sonhado.


Eduardo Leite

3 Comentários:

Às 10:13 PM , Blogger Barretoivoski disse...

Não li o que veio antes, mas gostei. Pode dar uma cortada em alguns adjetivos e cortar o ", jamais ter sonhado tão alto, jamais ter sonhado.", afinal tudo já foi dito antes.

 
Às 11:02 PM , Anonymous Dudu disse...

a intenção foi justamente essa, a repetição assim como o arrependimento martelando na cabeça ;)~
agradeço de qualquer forma ;D

 
Às 1:32 AM , Blogger 3 Vozes disse...

Grande reviravolta. Não porque diabos eu pensei que esse conto ia ter um final feliz. Não existem finais felizes. Existem finais possíveis. Show de bola, Dudu. Abraço, Rafael

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial